Voltar ao topo

Premio Antônio Carlos de Almeida Braga

Confira a entrevista com o Presidente da CNseg sobre o tema

16 de Julho de 2014 - Mercado

O Prêmio Antônio Carlos de Almeida Braga de Inovação em Seguros, que busca reconhecer o trabalho dos securitários e corretores que contribuem para a inovação no mercado, foi criado pela CNseg em 2011. Na edição deste ano, cujo prazo de inscrição vai até 30 de setembro, serão premiados os projetos mais inovadores nas categorias Produtos e Serviços, Processos e Comunicação.

Em entrevista exclusiva para o Portal da CNseg, o presidente da Confederação, Marco Antônio Rossi, fala sobre suas expectativas para a edição deste ano, sobre a importância do Prêmio para o mercado, entre outros pontos. Confira:

Por que a escolha de Antonio Carlos de Almeida Braga para homenagear?

Marco Antonio Rossi: Antonio Carlos de Almeida Braga é um ícone de inovação no mercado de seguros e merece ser homenageado. Foi um grande empresário que, com sua visão ímpar de negócio, criou novas modalidades de seguros, pensou em novas formas de distribuição de produtos e outras inovações que delinearam o rumo de um mercado que segue muitos de seus passos até hoje. É essa forma de empreender que queremos colocar como inspiração.

O Prêmio de Inovação em Seguros já está em sua quarta edição. Quais foram as evoluções percebidas no setor ao longo dessas edições?

Marco Antonio Rossi: A cada nova edição, recebemos mais projetos inscritos. Esse crescimento reflete um engajamento cada vez maior do setor com questões relacionadas ao aprimoramento da relação com os seus públicos, especialmente o consumidor final. Temos percebido como a inovação vem pautando essa indústria que engloba seguradoras, resseguradoras e corretores de seguro, ligando novas ideias à adoção de boas práticas que levam ao desenvolvimento sustentável do setor.

De que forma o dia-a-dia do mercado segurador vê os benefícios dessas inovações?

Marco Antonio Rossi: Quando ideias frutíferas são reconhecidas e adotadas, há um estímulo geral para a percepção de oportunidades que ainda não foram aproveitadas e para a reavaliação do que já existe. No que diz respeito ao consumidor, os esforços do mercado tem gerado ótimos resultados quanto ao desenvolvimento de produtos e serviços voltados para as novas demandas da população, à velocidade no atendimento ao público e ao aperfeiçoamento dos processos operacionais. Além disso, tem crescido o número de parcerias com outros agentes da indústria, que também vem atuando, de forma colaborativa e propositiva, com o Poder Público, órgãos de defesa do consumidor e o Judiciário. São múltiplos fatores que englobam paralelamente inovação e desenvolvimento sustentável, o que é saudável para todas as partes envolvidas, ou seja, mercado, consumidores e a sociedade em geral.

Há um estímulo, por parte das seguradoras associadas à CNseg, à inovação de seus colaboradores?

Marco Antonio Rossi: Sem dúvida. Esse estímulo é crescente e os bons resultados alcançados pelo setor recentemente demonstram isso. Isso fica claro também no aumento, tanto qualitativa como quantitativamente, dos trabalhos inscritos no Prêmio desde a primeira edição em 2011.

Quais áreas do setor são agraciadas pelo Prêmio e quais os critérios de avaliação dos projetos?

Marco Antonio Rossi: São três categorias nas quais os colaboradores podem inscrever seus projetos: Processos, Comunicação e Produtos e Serviços. Dessa forma, as mais diferentes áreas do mercado conseguem participar, trazendo exemplos de inovação em seus campos. Além disso, esse ano estabelecemos quatro critérios com diferentes pesos para que a Comissão Julgadora possa avaliar os trabalhos inscritos: inovação, relevância para o negócio, aspectos de implementação e conjunto do trabalho, sendo a inovação o de maior peso.

Fazendo uma retrospectiva das edições anteriores, que análise pode ser feita dos projetos premiados?

Marco Antonio Rossi: Ao longo das três edições anteriores, tivemos o imenso prazer de receber projetos das mais variadas áreas da indústria de seguros, dentro das três categorias que compõem o Prêmio. É importante observar que, na última edição, a categoria Processos foi a que mais recebeu inscrições, tendo tal categoria crescido cinco vezes em relação ao número projetos recebidos na edição anterior. Vale ressaltar também que muitos dos projetos vencedores ajudaram a disseminar ideias para minimizar o impacto ambiental em serviços, produtos e processos, além da preocupação com a integração dos meios sociais que a indústria de seguros alcança.

Qual é a expectativa em relação ao número de inscrições para 2014?

Marco Antonio Rossi: Esse ano, a expectativa é triplicar o número de projetos recebidos em comparação com o ano passado.